Trenzinho

Outubro foi inteiramente dedicado às homenageadas do mês, no Preventório Rainha Dona Amélia, unidade de ação social da Fundação Ataulpho de Paiva (FAP). No dia 10 de outubro, as crianças ganharam uma festa, no Parque Natural Municipal Darke de Mattos, na Ilha de Paquetá (RJ). Situado ao final da Praia José Bonifácio e dotado de árvores centenárias, o parque é uma das maravilhas da ilha, onde beleza, romantismo e meio ambiente caminham juntos. Em contato com essa paisagem, cerca de 50 crianças de dois a quatro anos de idade se divertiram, além de desenvolver a criatividade e o respeito pela natureza.

“É bom que as crianças saiam da sala de aula para que se relacionem com outros espaços. Isso permite que nós façamos outros exercícios e brincadeiras, incentivando a imaginação delas”, destacou Helen Madeira, coordenadora da Instituição.

Para Márcia Soares, que há três anos trabalha na instituição, passeios como esse são importantes na medida em que estimulam crianças a brincar e a entrar em contato umas com as outras fora da sala de aula. Duda e Rafael entenderam o recado e não paravam de fazer amizades, enchendo bexigas ou confeccionando “bolos de chocolate” com montinhos de terra.

Enquanto giravam bambolês, pintavam desenhos, pulavam corda e, enfileirados, faziam seu “trenzinho”, o aparelho de som tocava músicas infantis, como as do Balão Mágico e as do Castelo Rá-Tim-Bum, que fizeram a alegria de muita gente durante as décadas de 80 e 90.

Balão

 

DudaA falante Larissa, de três anos, encontrou em pedacinhos de cipó pulseiras para adornar seu pulso e de suas amigas. Miguel, também com três anos, por sua vez, observou atentamente o telhado para não perder de vista o “coelhinho da Páscoa”. Em outro canto do parque, o pula-pula instalado especialmente para o dia estava disputadíssimo: todo mundo queria ser passarinho.

Durante o dia, foram servidas quatro refeições: café da manhã, almoço, lanche da tarde e, para fechar com chave de ouro, um bolo de chocolate, presente dos amigos que o Preventório tem pela ilha; e sacolinhas surpresa. A visita ao Parque Natural Municipal Darke de Mattos contou com o apoio de quatro guardas municipais que fizeram a segurança do evento, além, é claro, de brincarem com os pequeninos. A agenda de comemorações pelo Dia das Crianças incluiu ainda uma visita ao Zoológico do Rio de Janeiro.

 

 

 

Pula-Pula

 

 

 

 

 


leia mais

Padre e Bispo O aniversário da Fundação Ataulpho de Paiva (FAP), comemorado no dia 4 de agosto, ainda inspira homenagens. No último dia 27 de setembro, o bispo auxiliar da Arquidiocese do Rio, Dom Luiz Henrique da Silva Brito, visitou o Preventório Rainha Dona Amélia e celebrou uma missa na capela da instituição, concelebrada com Frei Gilmar, para funcionários, familiares e amigos. A visita pastoral teve como objetivo conhecer as instituições vinculadas à FAP, mapeando a população e a cultura de inúmeras localidades na Ilha de Paquetá.

Admirado com as atividades desenvolvidas nos últimos 114 anos, Dom Luiz dedicou suas orações à instituição. “O trabalho realizado com as crianças é maravilhoso. Nossas orações nessa missa são em função desse trabalho que vocês realizam”, destacou.

Administradora do Preventório há 13 anos, a irmã Antônia não escondia seu contentamento com a visita de Dom Luiz. Por isso, fez questão de organizar um almoço para os presentes, após a missa. Para a religiosa, a celebração fortalece o trabalho desempenhado no cotidiano. “Valoriza ainda mais todas as nossas atuações nas atividades que são realizadas no decorrer do ano. Ajuda a superar os obstáculos e os desafios que nós encontramos no dia a dia”, afirmou.

Almoço

Funcionários, amigos e familiares rezam minutos antes do almoço

História – No final da cerimônia, a funcionária Maria Goreth contou um pouco da história da FAP e dos serviços sociais que são prestados através do Preventório. “Nós visitamos as residências das crianças para observar a realidade onde vivem. Prestamos um serviço de proteção social básica. A celebração dessa missa incentiva a nossa espiritualidade e nos dá forças para continuar o nosso trabalho”, disse Goreth.

“O Preventório é uma família e esse é um momento importante de reconhecimento do trabalho que tem sido feito”, disse Vânia Lúcia de Carvalho, que há 17 anos atua no Preventório – primeiro como recreadora; hoje, como monitora. Já a ex-recreadora Raquel Xavier se formou em Pedagogia, mas frequenta o espaço até hoje, como voluntária, ajudando as antigas colegas: “Trabalhar aqui foi o melhor estágio que eu tive como experiência”.

Com 56,9 mil metros quadrados, o Preventório Rainha Dona Amélia atende meninas e meninos com idade entre dois e 11 anos. Antes de irem para a escola ou ao retornarem, as crianças obtêm alimentação, atendimento nutricional, médico e odontológico, enquanto os pais trabalham.


leia mais