dcvmnwork1blog
Uma oportunidade incrível de aprendizado. Assim o diretor-científico da Fundação Ataulpho de Paiva, Luiz Roberto Ribeiro Castello Branco, definiu o workshop “Sistemas críticos e estudos clínicos: água, ar e auditorias”. Realizado pela DCVMN (Developing Countries Vaccine Manufacturers Network), o evento ocorre no hotel Windsor Excelsior, em Copacabana, até a próxima sexta-feira, dia 3 de junho. A abertura do seminário teve a participação do diretor-científico da FAP e do presidente do Conselho Estratégico da Bio-Manguinhos, Akira Homma. No Brasil, a FAP, a Fundação Oswaldo Cruz e o Bio-Manguinhos são parceiros e integram o DCVMN.

Durante a abertura, Castello Branco contou a história da FAP, desde o surgimento da Liga Brasileira Contra a Tuberculose, passando pelo pioneirismo nos estudos sobre a BCG e chegando aos dias atuais, como a única produtora no Brasil da vacina BCG, contra a tuberculose, e da Onco BCG, para o tratamento do câncer superficial de bexiga. Segundo o diretor-científico da FAP, o workshop da DCVMN é fundamental para melhorar a capacitação dos profissionais.

“Este evento é uma chance incrível de aprendizado, uma forma de melhorar a qualidade dos profissionais dentro de nosso continente. Serão dias fundamentais de treinamento para o futuro da saúde. Fabricamos vacinas nos mais diferentes níveis e essa capacitação é fundamental para melhroar a qualidade de vida de no planeta”, disse.

dcvmnwork4blog

O evento da DCVMN é direcionado a profissionais de Brasil, Argentina, México, Cuba e outros países da América Latina. Para Akira Homma, o workshop ajudará a melhorar a qualidade da produção de vacinas.

“A importância da qualidade dos produtos se dá no dia a dia. E o workshop é importante para levar essas ideias adiante. Queria agradecer à Fundação Ataulpho de Paiva por organizar esse treinamento”, disse Homma.

dcvmnwork2blog

CAPACITAÇÃO

A DCVMN é uma organização voluntária de fabricantes de vacinas de países em desenvolvimento que busca oferecer um consistente fornecimento de vacinas de alta qualidade e que sejam acessíveis de forma a proteger a população contra doenças infecciosas, conhecidas e emergentes, em todo o mundo.

No primeiro dia do evento, a secretária-executiva da DCVMN, Sonia Pagliusi, explicou o papel da organização, que tem 45 fabricantes de vacinas de 16 países, que oferecem 40 diferentes tipos de vacina em diferentes apresentações e plataformas, totalizando cerca de 200 produtos. Entre eles estão vacinas contra a tuberculose, febre tifóide e febre amarela, entre outros.

O diferencial do workshop da DCVMN é que ele os inscritos terão de realizar, num período de três meses, capacitações semelhantes em suas empresas e instituições.

“Os participantes terão de passar o conhecimento apreendido aqui em suas empresas. A ideia é que o conhecimento seja levado adiante, melhorando a qualificação dos profissionais”, explicou Sonia Pagliusi.

dcvmnwork5blog


leia mais

tuberculose - foto matéria

O BCG Moreau, produzido pela Fundação Ataulpho de Paiva, no Rio de Janeiro, foi reconhecido pela OMS após ter sido estudado em 16 laboratórios certificados por essa entidade. Esse medicamento de referência mundial serve para combater a meningite tuberculosa e formas pulmonares e disseminadas da doença, por meio da ativação do sistema imunológico através de vacina.  Composta pelo bacilo de Calmette & Guérin, a estirpe brasileira utilizada na vacina é considerada uma das mais imunogênicas dentre as 12 estirpes vacinais atualmente em uso, que consiste na capacidade do agente biológico estimular a resposta imune no hospedeiro conforme as características desse agente. Tem menos efeitos adversos e proteção bastante elevada.

A vacina BCG serve para a imunização prévia do indivíduo contra a infecção provocada pela Mycrobacterium tuberculosis, agente da tuberculose. Isso favorece a que o organismo possa responder de forma rápida e eficiente ao primeiro contato com o agente infeccioso. É produzida a partir da cepa Moreau RJ, bactérias da tuberculose bovinas vivas Mycobacterium bovis com virulência atenuada, contendo também glutamato de sódio. Em 1978, a FAP consolidou o uso intradérmico da vacina BCG liofilizada, com solução de cloreto de sódio e completa homogeneização, que já vinha sendo usada desde 1972. No ano seguinte, o Brasil abandonou o tratamento com a vacina via oral.


Vacina obrigatória

Normalmente, a vacina BCG é dada a recém-nascidos, que, de acordo com o Manual de Normas para o Controle de Tuberculose, devem ser vacinados nas maternidades. No Brasil, o BCG é indicado para crianças de 0 a 4 anos e, de acordo com a Portaria 452 do Ministério da Saúde, de 6/12/1976, é obrigatório para menores de um ano. Deve-se vacinar o mais precocemente possível, de preferência logo após o nascimento, desde que tenham peso igual ou superior a dois quilos e boas condições clínicas. Indivíduos de qualquer idade podem ser vacinados, embora haja menor grau de proteção.


leia mais

Personalidades  históricas mortas pela tuberculoseNa Wikipédia, popular enciclopédia escrita de maneira colaborativa pelos usuários da web, há uma relação de 116 personalidades históricas no mundo mortas por causa da tuberculose. Uma mostra de como a doença é uma das mais antigas e mortais da humanidade, desde os tempos pré-históricos. Entre os nomes lembrados figuram brasileiros famosos como os poetas Álvares de Azevedo, Augusto dos Anjos, Castro Alves e Casimiro de Abreu, os escritores José de Alencar e Cruz e Sousa e os compositores Noel Rosa e Sinhô. Entre as personalidades internacionais, alguns dos citados são Dom Pedro I (do Brasil), o líder político boliviano Simón Bolívar, o inventor do alfabeto para portadores de deficiência visual, Louis Braille, o pianista e compositor Frédéric Chopin e os escritores Franz Kafka e George Orwell.


leia mais

tuberculose - foto matéria

 

Há quem diga que a tuberculose está ligada a um passado. Terrível engano, já que o mal provocado pela Mycobacterium tuberculosis afeta mais de oito milhões de pessoas no mundo e mata mais de um milhão delas por ano. Desde 1900, quando ainda era a Liga Brasileira Contra a Tuberculose, a Fundação Ataulpho de Paiva, introdutora no Brasil da vacina BCG, alerta sobre certos aspectos que dificultam os avanços no país para acabar com a doença.

Signatário dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, aprovado em 2000 pela ONU e que tem entre seus objetivos a diminuição até 2015 de algumas doenças endêmicas, o Brasil enfrenta como um dos seus principais problemas a desinformação generalizada em relação à tuberculose e as condições precárias em que vive expressiva parte da população. São registrados inúmeros casos de pessoas com ou sem plenas condições de acesso à informação, como demora ou abandono de tratamento. Pelo fato da doença não se apresentar de forma intensa, alguns pacientes relaxam até começar a piorar, enquanto outros abandonam o tratamento, que dura em média seis meses.

Por vezes, o abandono ocorre nos 15 primeiros dias quando os pacientes param de ser transmissores da doença. Nos dois primeiros meses, muitos renunciam o tratamento por se sentirem bem, pela falta de paciência e determinação, por razões relacionadas à doença e ao próprio tratamento. Outros fatores estão relacionados ao alcoolismo, tabagismo, uso de drogas ilícitas, pela crença na cura através da fé, por problemas socioeconômicos, pela intolerância medicamentosa e demora. Todos deveriam saber que o desafio de tratar da tuberculose não é nenhum bicho de sete cabeças, a começar pelo fato de o tratamento ser governamental e gratuito, com controle por parte do Ministério da Saúde sobre os medicamentos ministrados. Além disso, o diagnóstico é rápido, o tratamento facilitado, através do uso de comprimidos com doses fixas combinadas e, de acordo com a recomendação da OMS, os agentes de saúde observam diretamente o uso dos medicamentos pelos pacientes.

Mesmo assim, os últimos dados sobre óbitos decorrentes da doença, divulgados em 2012, são bastante preocupantes: total de 4.406 óbitos, o correspondente a 2,3 óbitos para cada 100 mil habitantes. Em 2013, o país registrou 71.123 novos casos de tuberculose, taxa de incidência que ficou em 35,4 casos para cada 100 mil habitantes, queda de 20,3% em relação a 2003. Os números mostram que por mais avanços que a indústria farmacêutica e a medicina tenham e maior que seja a ação do governo na luta contra a tuberculose, é preciso a conscientização acentuada da população brasileira sobre a importância da prevenção precoce e da continuidade nos tratamentos.

A prevenção começa no primeiro mês de vida de uma criança com a BCG, que está no calendário de vacinação da rede pública, para imunizá-la contra a tuberculose e devem procurar serviço de saúde ao apresentar os seguintes sintomas: tosse prolongada por mais de três semanas geralmente com catarro amarelado, às vezes febre vespertina, suores noturnos, emagrecimento, perda de apetite e astenia. Também é fundamental o controle das pessoas que mantém contato mais íntimo com os doentes. Essas devem ser avaliadas sobre a necessidade de tratamento preventivo.

Os exames mais comuns são baciloscopia (exame do catarro) e radiografia do tórax e, caso constate-se a existência do mal, o tratamento deve ser levado adiante, pois caso contrário o bacilo de Kock poderá ficar resistente a medicações e o tempo de duração prolonga-se para 18 meses, os gastos públicos com medicação ficarão maiores, a doença estará agravada e, consequentemente, maior será o risco de vida pessoal e para a sociedade.


leia mais