Exames são fundamentais para detectar a tuberculose

examettb1

A tuberculose é uma doença grave, mas tem cura. E como em várias outras enfermidades, identificar tuberculose o mais cedo possível é importante para ajudar na sua cura. E é preciso ter atenção aos sintomas e relizar os exames que comprovam a doença. Isso porque alguns pacientes não exibem nenhum indício da doença em seu início, outros apresentam sintomas aparentemente simples que são ignorados durante muito tempo.

Na maioria das pessoas infectadas, os sinais e sintomas mais frequentes são: tosse seca contínua no início dos sintomas, depois com presença de secreção por mais de quatro semanas, transformando-se, em muitas das vezes, em uma tosse com secreção sanguinolenta; cansaço excessivo; febre baixa geralmente à tarde; sudorese noturna; falta de apetite; palidez; emagrecimento acentuado; rouquidão; fraqueza e prostração. Os casos graves apresentam dificuldade na respiração; eliminação de grande quantidade de sangue, colapso do pulmão e acúmulo de líquido na pleura (membrana que reveste o pulmão) – se houver comprometimento dessa membrana, pode ocorrer dor torácica.

O conjunto de sintomas e a radiografia de tórax geralmente dão indícios da tuberculose pulmonar, mas o que comprova a existência da doença é a constatação do Mycrobacteriumtuberculosis no escarro. A baciloscopia, ou exame de escarro, possibilita a identificação dos Bacilos-Álcoo-Ácido-Resistentes em análise direta da secreção excretada pelos pulmões, por meio de coloração específica com a utilização de microscópio.

Recentemente outro exame usando técnica de biologia molecular, como o Xpert MTB/RIF, passou a ser também uma metodologia bastante usada para detectar, a partir do escarro, a presença do DNA do bacilo e de mutação que indique resistência ao antibiótico rifampicina, usado no tratamento da doença. Com este exame, o diagnóstico pode sair em até duas horas. O Xpert é disponibilizado no Brasil pelo Ministério da Saúde.